O que se passa no Facebook passa-se aqui também!

7 de maio de 2009

SOS Azulejo na Capital

Vários azulejos do Séc. XVIII, furtados em 13/7/2007 da escadaria do prédio, Rua da Fé, n.º 33, Lisboa

Azulejaria na "mira" da Judiciária (notícia no Jornal de Noticias on line)

"A Judiciária vai contar com uma base de dados dos conjuntos de azulejaria na capital, de modo a evitar o seu furto e destruição. Esta inventariação é um dos objectivos delineados pelo acordo que a Câmara de Lisboa vai estabelecer com a PJ.

"Protecção e Conservação do Património Azulejar da Cidade de Lisboa" é o projecto que pretende reforçar o trabalho que a Câmara de Lisboa tem vindo a desenvolver na área da protecção, conservação e valorização daquelas obras de arte pública, mas com uma componente policial acentuada, tendo em conta que o município não tem conseguido travar a delapidação de azulejaria que se verifica na cidade.
O protocolo a estabelecer entre a Câmara e a Polícia Judiciária prevê a disponibilização da base de dados sobre os painéis de azulejos, na posse do Museu da Cidade. Aquela inventariação permitirá à equipa da "SOS Azulejo" - projecto desenvolvido pela Escola da Polícia Judiciária - conhecer o património existente, de modo a facilitar não só a identificação dos materiais em possíveis casos de furto, como a elaboração de um plano de prevenção com técnicos municipais, associações e privados.
Segundo Rosalia Vargas, vereadora da Cultura da Câmara de Lisboa, o projecto diferencia-se de um outro protocolado entre a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e a PJ.
"De uma certa forma, este acordo é pioneiro porque com ele traz um conjunto de medidas e conjugação de esforços, que não constam no da ANMP. O desenvolvimento de acções de investigação e sensibilização criminal dos nossos técnicos municipais, que trabalham nesta área, é apenas uma das contrapartidas estabelecidas", explicou, ao JN, Rosalia Vargas, à margem da reunião do executivo municipal, que aprovou por unanimidade aquela proposta.
A PJ colaborará na elaboração do banco de imagens e dará indicações quanto às medidas de segurança a tomar em caso de obras que envolvam conjuntos de azulejos.
O acordo surge um ano após o furto de um valioso conjunto de azulejos no pavilhão Carlos Lopes, no Parque Eduardo VII, em Lisboa, da autoria do artista plástico Jorge Colaço, do início do século XX. Ao JN, Rosalia Vargas adiantou que apenas parte do espólio foi recuperado pelo Museu da Cidade, mantendo-se o restante desaparecido.
"Tudo o que se recupera desses incidentes até a azulejos recolhidos de demolições ou encontrados pela cidade rumam a um armazém no Figo Maduro [Camarate], onde permanecem à guarda do município", salientou, frisando que uma das acções de formação sobre o tema ocorrerá já no dia 21 de Maio."


Vale a pena conhecer o Projecto SOS Azulejo!
Cada um de nós, como cidadãos conscientes e interessados na preservação e conservação do património, temos o dever de ajudar nesta causa, denunciando possíveis furtos de azulejos e fazendo até o nosso próprio inventário fotográfico dos azulejos em volta da escola, ou das nossas casas.

1 comentário:

Sertório disse...

Sobre o descaminho de azulejos e elementos arquitectónicos de edifícios históricos nacionais, recomenda-se a consulta ao site americano da actividade comercial do, até á pouco tempo, presidente da Associação Portuguesa de Antiquários, onde se pode observar um inacreditável catálogo de peças desses géneros, actualmente á venda nos E.U.A. (e estas só do estabelecimento de Palm Beach, pois as mais valiosas estão expostas em Manhattan).

http://www.solarantiquetiles.com/

Não obstante não duvidar da licitude desta actividade, que não ponho em causa, é pertinente interrogarmo-nos sobre quantas destas exportações definitivas de património histórico-artístico com mais de cem anos, é que foram solicitadas, e autorizadas pelos serviços competentes do Ministério da Cultura ?

Antiquário que até presta serviços de consutadoria á PJ no programa "SOS Azulejo" (?).

http://mais.uol.com.br/view/7945qmbpogar/tradicionais-azulejos-de-lisboa-sao-cada-vez-mais-roubados-0402306ECC916326?types=A&

Peças que há cerca de duas décadas são sistematicamente furtadas em Portugal por catálogo e por encomenda, por elementos de uma organização criminosa internacional, constituida por bandos de gatunos operacionais, de etnia cigana, e seus associados italianos e dos Países Baixos, que os organizam e distribuiem a mercadoria ilícita pelo mercado mundial. Indivíduos sobejamente conhecidos das autoridades judiciais nacionais, e internacionais, e que estranhamente não são eficazmente combatidos. Sendo classificados de um "grupo de ladrões ainda não identificado" !

http://sic.aeiou.pt/online/video/informacao/Reportagem+Especial/2009/1/sospatrimonio.htm

Faz-se entretanto pesquisa na net, designadamente na Ebay, para alegadamente cumprir e explicar o desempenho de funções, onde se detectam azulejos a vulso, produto da pequena delinquência, e "esquece-se" o impune "comércio a grosso" das obras de arte valiosas.

http://video.msn.com/video.aspx?mkt=pt-br&vid=6f951fda-f648-4302-a426-462c531a269d

http://mais.uol.com.br/view/1575mnadmj5c/roubo-de-azulejos-em-portugal-ameaca-patrimonio-historico-040262DCC16366?types=A&


Com consideração.

Posts relacionados

Também poderá estar interessado em...